Mostrando postagens com marcador música popular brasileira. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador música popular brasileira. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Deus e Eu no Sertão, Victor & Leo, com a Convidada Alcione

victor, alcione e léo


Na postagem de hoje destaco quatro ícones da Música Brasileira.  Ecléticos, adorados por seus
seguidores são eles a dupla Victor e Léo que teve início em 1992, 25 anos de carreira, que
já foi destaque com "Paula Fernandes", Março de 2015, ao cantarem "Não Precisa", e
Alcione, consagrada sambista que dispensa apresentações, tendo marcado presença
aqui no Blog em Outubro de 2013, interpretando o clássico "Estranha Loucura".
O vídeo por mim escolhido para ilustrar a publicação, nos traz um grande
clássico da dupla, Deus e Eu no Sertão, composição de Victor, com a
convidada  Alcione  e sua inigualável voz.  Certamente apreciarão.





Lembro que nos  links apresentados em "links para suas preferências no blog", ao final da postagem, é
possível saber mais sobre este ou outros Artistas, assim como sobre outras Músicas ou ritmos de
sua preferência, em total segurança. Naveguem e descubram o  Brasil  na  Música e na Arte.

carlos miranda (betomelodia) 




Nunca vi ninguém viver tão feliz como eu no sertão
Perto de uma mata e de um ribeirão
Deus e eu no sertão

Casa simplesinha rede pra dormir
De noite um show no céu deito pra assistir
Deus e eu no sertão

Das horas não sei mas vejo o clarão lá vou eu cuidar do chão
Trabalho cantando a terra é a inspiração
Deus e eu no sertão

Não há solidão tem festa lá na vila
Depois da missa vou ver minha menina

De volta pra casa queima a lenha no fogão
E junto ao som da mata vou eu e o violão
Deus e eu no sertão


victor chaves



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Pra Vizinho Olhar, Carlinhos Brown

carlinhos brown

Não há nada que eu adicione sobre o destaque de hoje na Música Brasileira: Carlinhos Brown, mas
só para lembrar, escrevo sobre o que já é do conhecimento de todos, tanto no Brasil quanto
no resto do mundo. Antonio Carlos Santos de Freitas é seu nome de batismo e ele veio
ao mundo no ano de 1962, no bairro do Candeal Pequeno, em Salvador, capital do
Estado da Bahia.  Percussionista,  compositor, cantor, arranjador, produtor,
também um grande agitador cultural, candomblecista,  Artista Plástico,
tem dezenas de parceiros em suas composições e intérpretes em
nosso universo musical. Seu nome artístico homenageia um
ícone,  James Brown e sua soul music, assim como a
H. Rap Brown,  ativista dos direitos civis. Em
nova roupagem, escolhi o vídeo em que
ele interpreta "Pra Vizinho Olhar".




Lembro que, nos links apresentados em "links para suas preferências no blog", ao final da postagem, é
possível saber mais sobre este ou outros Artistas, assim como sobre outras Músicas ou ritmos de
sua preferência, em total segurança. Naveguem e descubram o  Brasil  na  Música e na Arte.

carlos miranda (betomelodia) 




Tá vendo essa aí é filha de Oyá tá vendo essa aí é filha de Oyá
Quando ela incensa muzenza há e toda aldeia exala
Quem perde a cabeça não pensa mais vai atrás daquela doideira

Tem alguém aí pra vizinho olhar tem alguém aí pra vizinho olhar
Abre a janela pra se mostrar tira a burca o véu e a veia
A beleza bela é de intimidar gente tímida fica vermelha
Quem casar com Eva sustentará ela passarela ladeira
Acredite ou não ela chegará Eva com Nanã se assemelha

Gíria pega na fala palavrão pega na boca de todo mundo
Pula pega na cintura desce a mão pega na coisa na coxa toda sobe já

Copos de açaí no balcão do bar copos de açaí no balcão do bar
Todo povo seu é lá do Pará cozinheira sua mineira
Mas quando começa se abainar ela fica mais brasileira
Ô sol ô sorte ô sol ô sorte

Tá vendo essa aí é filha de Oyá
Copos de açaí no balcão do bar
Tem alguém aí pra vizinho olhar

Gíria pega na fala palavrão pega na boca de todo mundo
Pula pega na cintura desce a mão pega na coisa na coxa toda sobe já

E aê diga aê minha e aê minha diga aê minha
E aê minha diga aê minha e aê minha diga aê


carlinhos brown / arnaldo antunes



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Amuleto, Tiê

tiê gasparinetti biral


Ela nasceu na cidade de São Paulo, capital do Estado homônimo em 17 de Março de 1980, e lá
cursando Relações Públicas, iniciou seu relacionamento com nosso mundão de Deus. Foi uma
das integrantes da  Ford Models, participou de um comercial, que premiado em Cannes
a teve em foco principal. Mas creio que em minha opiniãozinha modestinha, foi em
em seu Café Brechó que a Música entrou em sua vida, ao conhecer Toquinho e
o tecladista Dudu Tsuda.  Gravou com eles sua primeira canção e partiu a
percorrer o Brasil e a Europa. Pronto. Assim ela optou pelo mundo da
Arte Musical, para deleite da poesia e para nossa cultura musical.

Multi-instrumentista, compositora que tem por preferência estilos
musicais como a mpb, folk e também indie pop, grava um EP em 2008.
Lança em 2009  o seu primeiro álbum, composições próprias acompanhadas
por  acordes   de seu toque  ao piano e ao violão,   seu instrumento  preferido. Os
anos   de 2009, 2011, 2014, 2015   e agora em 2017,   foram os anos   em que Tiê nos
brindou com novos álbuns,  e de seu último lançamento  escolhi a canção autoral Amuleto.
na faixa 9 de seu álbum  Gaya,  de bela letra,  que é um aviso aos  Joãos e Marias mundo afora.




Lembro que, nos links apresentados em "links para suas preferências no blog", ao final da postagem, é
possível saber mais sobre este ou outros Artistas, assim como sobre outras Músicas ou ritmos de
sua preferência, em total segurança. Naveguem e descubram o  Brasil  na  Música e na Arte.

carlos miranda (betomelodia) 




Não deixe eu me arrepender de um dia eu ter te amado João
Não deixe eu escapar assim me prende nos seus braços João
Cola do meu lado tranca um cadeado ponha alarme em mim

Não deixa eu chorar no quarto pensando em você João
Não deixe o tempo apagar eu posso te esquecer João
Me liga toda hora vigia a minha porta cuida do meu coração
Resolve os meus problemas me leva pro cinema depois até a lua
Me traz uma estrela me faz a gentileza comete uma loucura

Me leva no seu bolso me faz de travesseiro
Me pendura em seu pescoço feito um amuleto
Você me tem nas mãos mas não aperta João
Que eu escapo entre os seus dedos


tiê



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Ofício, Sandrera e Duda Negrelli

duda nefrelli e sandrera


No início, ele divulgava a Música capixaba em seu Estado natal, Espírito Santo, e como escrevi no
destaque a ele dedicado em 18 de Outubro, sua estréia no Blog, seu eclético repertório era
composto de brasileiríssimo estilo folk-rock,  Música caipira, a popular, e também do
mais puro rock, mistura que a todos agradou.  Sua carreira teve início no final
dos anos 90 e com o passar dos anos, as suas composições denotam alto
nível de narrativa poética, com arranjos originais, inovadores. Foi
com  "Tá Freud, Baia", sua voz lembrando Raul Seixas que
sua estréia se deu por aqui, um folk-rock tupiniquim,
mas agora, uma faceta que muito me agradou
em sua narrativa poética, Ofício, onde
canta sua trajetória na Música. 






Lembro que, nos links apresentados em "links para suas preferências no blog", ao final da postagem, é
possível saber mais sobre este ou outros Artistas, assim como sobre outras Músicas ou ritmos de
sua preferência, em total segurança. Naveguem e descubram o  Brasil  na  Música e na Arte.

carlos miranda (betomelodia) 





Acordo cedo e me mando pelas oito logo após um cafezinho eu saio as oito
Nos olhos levo a esperança na boca o gosto do café e em meu peito bem guardado aquela fé
Vou seguindo pela cidade de mansinho vejo os pardais mas onde voam os canarinhos
E entre carros e motocicletas escapamentos e chaminés meu pensamento voa e eu sigo a pé

Faço um contato e já me esbarra o meio-dia no bolso uma merreca e rascunhos de poesia
Como um salgado faço um lanche e no copo do refrigerante enxergo meu lugar ao som num novo dia
E é assim que eu atravesso os meus janeiros num dia desse num jardim te juro que vi primeiro
Muitas mãos tocaram a rosa mas ela só se abriu nas mãos do jardineiro
Por mais mãos que toquem a rosa ela sempre reconhece as mãos do jardineiro

Pelas cinco da tarde eu sinto a falta de um café mas as moedas acabaram me lembro e agora José
Olho prum lado e pro outro me vem o gosto do café o jeito é eu voltar pra casa a pé
Na volta as vezes eu encontro um amigo que comenta sobre a faculdade e briga comigo
Nessa hora me aperta o peito sinto até medo desse mundo cão
Mas que se dane o mundo inteiro meu ofício é fazer canção

É que essa é minha estrada minha história de futuro incerto
Mas só assim eu sou feliz atravessando esse deserto
Um cara simples que aprendeu com a vida
A doce alquimia dos sonhos de transformar o momento em verso

Acordo cedo e me mando pelas oito...

sandrera



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Alô Fevereiro, Roberta Sá

roberta sá


De volta ao Blog, Roberta Sá interpretando a composição "Alô Fevereiro", autoria de Sidney Miller
que lançada em 1972 por  Dóris Monteiro,  foi uma marchinha de carnaval. A releitura na
interpretação de Roberta é muito boa, que com sua afinada voz, ótimo domínio de
palco com sua "brejeirice" habitual, cativa o público. Sua primeira presença
aqui no Blog foi em Agosto de 2013, cantando  "Girando na Renda",
com a  participação de  Pedro Luis  com o  seu cavaquinho. 





Lembro que, nos links apresentados em "links para suas preferências no blog", ao final da postagem, é
possível saber mais sobre este ou outros Artistas, assim como sobre outras Músicas ou ritmos de
sua preferência, em total segurança. Naveguem e descubram o  Brasil  na  Música e na Arte.

carlos miranda (betomelodia) 




Tamborim avisou cuidado violão respondeu me espera
Cavaquinho atacou dobrado quando o apito chegou já era
Veio o surdo e bateu tão forte que a cuíca gemeu de medo
E o pandeiro dançou que sorte fazer samba não é brinquedo

Todo mês de fevereiro morena carnaval te espera
Querem te botar feitiço morena mas também pudera
Se ele pega no teu corpo vai ter gente enlouquecida
Querendo entender a tua dança querendo saber da tua vida

sidney miller



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

sábado, 11 de novembro de 2017

Rio, com Patrícia Alvi

patrícia alvi


No coração e na mente, recordações.  Uma grande mistura,  nostalgia, saudade,  alegria, tristeza,
tudo em um turbilhão de imagens. Ao aparar o gramado, o som macio do cortador lembrava o
suave bater das ondas em minha praia, acompanhado por calma brisa. No fone de ouvido
a voz de  Patrícia Alvi  sobrepunha-se a tudo, cantando Rio. A saudade de minha
terra natal bateu forte. Em meu arquivo sobre Bossa Nova, encontrei o vídeo
que ilustra a publicação, com Patrícia, Roberto Menescal e com Marcos

 Vallecantando o  Rio de Janeiro  de minha infância e juventude.
Vale a pena  ouvir e recordar,  uma época de encantos mil.




Lembro que, nos links apresentados em "links para suas preferências no blog", ao final da postagem, é
possível saber mais sobre este ou outros Artistas, assim como sobre outras Músicas ou ritmos de
sua preferência, em total segurança. Naveguem e descubram o  Brasil  na  Música e na Arte.

carlos miranda (betomelodia) 




Rio que mora no mar sorrio pro meu Rio que tem no seu mar
Lindas flores que nascem morenas em jardins de sol
Rio serras de veludo sorrio pro meu Rio que sorri de tudo
Que é dourado quase todo dia e alegre como a luz

Rio é mar eterno se fazer amar
O meu Rio é lua amiga branca e nua

É sol é sal é sul são mãos se descobrindo em todo azul
Por isso é que meu Rio da mulher beleza
Acaba num instante com qualquer tristeza
Meu Rio que não dorme porque não se cansa
Meu Rio que balança sou Rio sorrio sou Rio sorrio...


roberto menescal / ronaldo bôscoli



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

domingo, 5 de novembro de 2017

Ana Costa, Regional do Beija-Flor

ana costa e carrapixo rangel


Mestre Marçal com seu jeito sui generis de se expressar, certa vez afirmou que a cantora, compositora
e violonista Ana Costa “prova o mingau pela beirada do prato”, e completo, com muito talento. Ela
em seu caminho ao sucesso foi indicada várias vezes ao Prêmio da Música Brasileira, como
melhor cantora de Samba,  tendo sido eleita como  Revelação  no Quinto Prêmio Rival
Petrobras de Música, ou seja, um dos talentos do ano. Em 2007, ficou conhecida
internacionalmente interpretando ao lado de Arnaldo Antunes, a música que
foi tema dos Jogos Panamericanos, “Viva Essa Energia”. Quem é ela?

Ana Cristina Costa, nascida em Março de 1968 no Rio de Janeiro, uma
cantora, compositora e violonista que,  tendo como  parceiro o bandolinista
Carrapicho  Rangel,  divulga seu repertório  em passeios sobre  nossas vertentes
musicais.  Sambas, valsas, choros  e outros ritmos mais, autorais e em parceria com os
mais diversos compositores, com ótimos arranjos, tendo como base o bandolim de 10 cordas,
garantem sucesso de suas apresentações em nosso Universo Musical,  e que a seguir mostramos.





Lembro que, nos links apresentados em "links para suas preferências no blog", ao final da postagem, é
possível saber mais sobre este ou outros Artistas, assim como sobre outras Músicas ou ritmos de
sua preferência, em total segurança. Naveguem e descubram o  Brasil  na  Música e na Arte.

carlos miranda (betomelodia) 



E eis que um santo beija-flor azul me apareceu
De corpo são e um coração quase maior que o meu
E foi meu professor de canto me botou no trilho
Alfredo da Rocha Viana Filho

Assim eu lhe batizei quase que eu desafinei
Até chorei de emoção criei um choro canção
São Pixinguinha redigiu a pauta
E fui levando a minha dor na flauta
Fiz parceria com o meu amor
E compusemos para o Regional do Beija-Flor

Bem Carinhoso ao soltar a voz
Lá vem o crooner bilingue swing pra nós
Trouxe trombone sax e pistom
Olha o piano de conversa com o pandeiro
O pólen brasileiro tem tempero especial
Oito batutas para o beija-flor
E mil acordes no dia de São Jorge
Tem choro e pagode no seu regional


ana costa / moyseis marques



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Todos os Cantos, Liah Soares

liah soares


Trago de volta ao Blog a compositora, instrumentista e cantora Liah Soares, que natural da pequena
Tucurui, Pará, é hoje um dos grandes nomes da Música Brasileira. Suas composições revelam
grande talento e suas interpretações cativam o público ao passear pelos mais variados
estilos musicais. Escolhi para essa publicação, sua composição autoral intitulada
"Todos os Cantos", que de maneira suave narra a saudade de um ex-amor.
Liah foi o destaque em 19/07/2014, cantando sua autoral "Casa Vazia".




Lembro que, nos links apresentados em "links para suas preferências no blog", ao final da postagem, é
possível saber mais sobre este ou outros Artistas, assim como sobre outras Músicas ou ritmos de
sua preferência, em total segurança. Naveguem e descubram o  Brasil  na  Música e na Arte.

carlos miranda (betomelodia) 




Uma nuvem que já vai passarm uma onda que volta para o mar
Sou areia nos dedos a deslizar sou a mesma em outro lugar

Eterno enquanto durou encanto que o tempo levou
Deixou teu cheiro em todos os cantos
Eterno enquanto durou encanto que o tempo levou
Deixou teu cheiro em todos os cantos que eu vou

Sou afago versos solidão o amargo do seu coração
A metade do que eu nem sei dizer o pedaço torto de você

Eterno enquanto durou encanto que o tempo levou
Deixou teu cheiro em todos os cantos
Eterno enquanto durou encanto que o tempo levou
Deixou teu cheiro em todos os cantos que eu vou


liah soares



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Rosa Morena, Quinteto Casuarina e Emanuelle Araújo

emanuelle araújo e joão cavalcanti


A primeira publicação sobre a Música Brasileira do mês, não poderia ser outro ritmo senão um bom
Samba, e com o Quinteto Casuarina e uma convidada dotada de muito axé, cantora da banda
baiana Moinho. E o resultado é contagiante, com João e Emanuelle em uma excelente
performance, com a composição de Dorival Caymmi "Rosa Morena", um clássico
da cultura musical brasileira.  Irreverência, presença de palco e o balanço
de um bom Samba, é o que a dupla e seus instrumentistas oferecem.

O Quinteto,  que já foi destaque aqui no Blog com as interpretações
de Disritmia, Certidão e Baile no Elite, volta ao Blog com Rosa Morena em
um duo com Emanuelle Araújo,  apresentando-nos a cantora Emanuelle Araújo, a
compositora e atriz natural de  Salvador, Bahia,  com toda  sua beleza e axé, muito axé.




Lembro que, nos links apresentados em "links para suas preferências no blog", ao final da postagem, é
possível saber mais sobre este ou outros Artistas, assim como sobre outras Músicas ou ritmos de
sua preferência, em total segurança. Naveguem e descubram o  Brasil  na  Música e na Arte.

carlos miranda (betomelodia) 




Rosa morena
Onde vais morena Rosa
Com essa rosa no cabelo e esse andar de moça prosa
Morena morena Rosa

Rosa morena o samba tá esperando
Esperando pra te ver
Deixa de parte esta coisa de dengosa
Anda Rosa vem me ver

Deixa de lado esta pose vem pro samba vem sambar
Que o pessoal tá cansado de esperar ô Rosa
Que o pessoal tá cansado de esperar morena Rosa
Que o pessoal tá cansado de esperar


dorival caymmi



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

sábado, 30 de setembro de 2017

Sambou Sambou, com Joyce Moreno

joyce moreno


E o mês de Setembro chega ao fim, e a última publicação sobre a Música Brasileira que o encerrará,
é um Samba, um clássico Samba-Bossa criado por dois João:  o Donato e  o Mello. E interpretado,
muito bem  interpretado por uma compositora, cantora, instrumentista e arranjadora, dona de
uma voz mezzo-soprano e talento, muito talento:  Joyce Moreno. Sobre ela não escreverei
nada, pois não chegaria ao  depoimento que meu  Mestre Tom Jobim  à ela dirigiu. Leiam.

"Joyce, você é craque mesmo! Você para mim é das maiores cantoras de todos os tempos! Danada! Você faz o que quer dessa sua voz maravilhosa, você tem bossa, afinação, improviso, ritmo, musicalidade, feminilidade, coragem, domínio absoluto da bola, você sabe das palavras e dos sons, você conhece o timbre e o sentido e comanda tudo com a maior propriedade, com a maior loucura, com a maior economia, com a maior prodigalidade, concisa, precisa. Você é folia controlada! Neste vero momento tua voz gostosa invade esta oficina e toma de assalto o coração deste velho torneiro. De tua garganta jorra este fino mel que não sacia, este ouro, este rio generoso que inunda as comportas deste navio condenado, deste atleta enjaulado, deste trovador desenganado, deste pierrot apaixonado."  ( Antônio Carlos Jobim, 1987)

Tom disse tudo então, convido a curtirem o vídeo que ilustra a publicação. Volto em Outubro, ok?





Lembro que, nos links apresentados em "links para suas preferências no blog", ao final da postagem, é
possível saber mais sobre este ou outros Artistas, assim como sobre outras Músicas ou ritmos de
sua preferência, em total segurança. Naveguem e descubram o  Brasil  na  Música e na Arte.

carlos miranda (betomelodia) 




Sambou sambou não descansou
Ficou zangada quando o dia clareou
Eu nunca vi sambar assim
Gosta de samba muito mais do que de mim

Quando ouviu bater o tamborim
Não quis mais saber de chá chá chá
Pra rock twist ela diz não
Porque gosta mesmo é de sambar


joão donato / joão mello



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google