terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Virgílio Dias e o Amor ao Rio de Janeiro

betomelodia.blogspot.com


Era uma vez um Artista Plástico carioca que, embora nascido no ano de
1973, começou a pintar um ano depois e que tem a Arte como ponto de
maior importância em sua vida.

Vou explicar. O nome do autor desta grande façanha é Virgílio Dias,
nascido em Rio de Janeiro no ano de 1956, que após sofrer um grave
acidente de trem em que perdeu seu braço direito, aprendeu a usar
o esquerdo, dedicando-se inteiramente à Arte.


virgílio dias

Um carioca apaixonado pelo centro do Rio, com suas antigas ruas e os
velhos casarões que ao tempo sobreviveram, um cenário perfeito que
com as pessoas que por lá passam, dão vida ao cotidiano da cidade e
que são os temas preferidos em suas obras. Ele é capaz de pintar
ao ar livre não importando se sob forte sol ou chuva.

Considerado pela crítica como um dos mais importantes e talentosos
Impressionistas da atualidade na América Latina, Virgílio Dias
partiu para o mundo pintando o seu caminhar trilhado, com enorme
talento e maestria, sempre com seu grande ateliê, a rua, os lugares
onde no momento de suas criações ele está.

A seguir, uma pequena mostra de suas telas retratando a cidade
que é sua paixão, o Rio de Janeiro

carlos miranda (betomelodia)




cinelândia

bar amarelinho

praça xv, chafariz

relógio da glória

largo santa rita

leblon, fim de tarde

leme

praia da urca

praia vermelha

praia de botofogo



destaco: teatro municipal


fontes
imagens: google - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

domingo, 29 de dezembro de 2013

Língua, Caetano Veloso

betomelodia.blogspot.com


Em muitas suas composições, Caetano Veloso sempre nos traz uma
crítica em defesa da cultura brasileira, valorizando suas diversas
facetas, seja no idioma pátrio ou nos costumes de nosso miscigenado
povo tais como a música, poesia, literatura ou seja, artes e costumes
regionais, lembrando-nos que tudo isso foi absorvido das várias
etnias formadoras de nossa população, criando nosso próprio
conceito cultural. Um celeiro mundial de tradições.



caetano veloso

No vídeo que ilustra esta postagem, Caetano enfatiza os valores
étnicos e culturais do Brasil com muita brasilidade, enfocando a língua
portuguesa como um marco dentro de nossa Nação e também, como
crítica aos que gostam de acrescentar modismos estrangeiros à
gramática já tão diferenciada de nossa lingua Pátria. Eis como
ele descreve seu patriotismo:

"Pátria não, Mátria! ... Mátria? Sim, mas também Fátria!"

Uma perfeita alusão à letra do Hino Nacional Brasileiro que, em
duas de suas estrofes cita: "Dos filhos deste solo és mãe gentil...",
a Mátria todos nós e, "Se o penhor dessa igualdade...", a Fátria,
a fraternidade de nossos irmãos brasileiros. 

carlos miranda (betomelodia)


video



Gosta de sentir a minha língua roçar a língua de Luís de Camões
Gosto de ser e de estar
E quero me dedicar a criar confusões de prosódia
E uma profusão de paródias que encurtem dores
E furtem cores como camaleões

Gosto do Pessoa na pessoa da rosa no Rosa
E sei que a poesia está para a prosa
Assim como o amor está para a amizade
E quem há de negar que esta lhe é superior
E deixe os Portugais morrerem à míngua
"Minha pátria é minha língua" fala Mangueira fala

Flor do Lácio sambódromo lusamérica latim em pó
O que quer o que pode esta língua

Vamos atentar para a sintaxe dos paulistas
E o falso inglês relax dos surfistas
Sejamos imperialistas cadê sejamos imperialistas cadê

Vamos na velô da dicção choo-choo de Carmem Miranda
E que o Chico Buarque de Holanda nos resgate
E xeque-mate explique-nos Luanda
Ouçamos com atenção os deles e os delas da TV Globo
Sejamos o lobo do lobo do homem
Lobo do lobo do lobo do homem
Adoro nomes nomes em ã de coisas como rã e ímã
Ímã ímã ímã ímã ímã ímã ímã ímã nomes de nomes
Como Scarlet Moon de Chevalier Glauco Mattoso
e Arrigo Barnabé e Maria da Fé e Arrigo Barnabé

Flor do Lácio sambódromo lusamérica latim em pó
O que quer o que pode esta língua

Incrível é melhor fazer uma canção
Está provado que só é possível filosofar em alemão
Se você tem uma ideia Incrível é melhor fazer uma canção
Está provado que só é possível filosofar em alemão
Blitz quer dizer corisco Hollywood quer dizer Azevedo
E o Recôncavo e o Recôncavo e o Recôncavo meu medo
A língua é minha Pátria e eu não tenho Pátria
tenho Mátria e quero Fátria

Poesia concreta prosa caótica ótica futura
Samba-rap chic-left com banana
( Será que ele está no Pão de Açúcar - Tá craude brô - Você e tu -
Lhe amo - Qu'é qu'eu te faço nego - Bate ligeiro - Arigatô arigatô )
Nós canto-falamos como quem inveja negros
Que sofrem horrores no gueto do Harlem
Livros discos vídeos à mancheia
E deixa que digam que pensem que falem

caetano veloso



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Verdade Chinesa, Emílio Santiago

emílio santiago, um dos maiores intérpretes da música popular brasileira

Emílio Vitalino Santiago. Nascemos no mesmo ano, 1946, na cidade
de Rio de Janeiro. Como intérprete foi, desculpem-me, é e sempre será
reconhecidamente único por seus arranjos e por suas interpretações,
meu Mestre nos arranjos por mim feitos quando nos palcos eu atuava.
Partiu, juntando-se ao "time lá de cima", deixando à todos muitas
saudades de seu carisma, seu sorriso, ficando uma enorme lacuna na
Música Popular Brasileira.

 "Queria ser diplomata quando soube que o Brasil
não tinha um diplomata negro."


Emílio na década de setenta, cursava  a Faculdade Nacional de Direito, mas
no decorrer do curso soube da inexistência de negros no Itamaraty, decidindo
então que seria um diplomata. Não tinha intenção de tornar-se cantor apesar
de ter vencido seu primeiro concurso no Festival de Música da faculdade
e sucessivos concursos em que inscrevia-se. A música já falava alto
na vida dele mas, à pedido do pai, formou-se em Direito.

Cantando, Emílio ganhou o mundo. Em suas turnês ficou conhecido pelo
apelido de "Nat King Cole do Brasil", segundo o texto do jornal americano
The New York Times, sobre suas apresentações pelos Estados Unidos:

"A suavidade de interpretação foi incorporada por Santiago.
Sua voz é mais rica e mais profunda que a de Cole.
O senhor Santiago é ágil, tem interpretação alegre, é um vigoroso
homem celebrando a abundância da vida, o prazer da beleza
e da intensidade do desejo".

Em 1973 lançou o primeiro compacto, com as canções "Transa de Amor"
e "Saravá ô Nêga", seguido de um Lp em 1975 em que as faixas traziam
as canções esquecidas de Ivan Lins, Guilherme de Brito, Jorge Benjor, João
Donato, Nelson Cavaquinho e muitos outros. O sucesso veio em 1988
ao ser lançado o álbum Aquarela Brasileira, o primeiro de um total de sete
volumes sobre a música brasileira. Sucesso que perdura até os dias atuais.

No vídeo abaixo, Emílio Santiago interpreta Verdade Chinesa,
autoria de Gilson e de Carlos Colla. Show. Saudades


carlos miranda (betomelodia)


video



Era só isso que eu queria da vida
Uma cerveja uma ilusão atrevida
Que me dissesse uma verdade chinesa
Com uma intenção de um beijo doce na boca

A tarde cai noite levanta a magia
Quem sabe a gente vai se ver outro dia
Quem sabe o sonho vai ficar na conversa
Quem sabe até a vida pague essa promessa

Muita coisa a gente faz
Seguindo o caminho que o mundo traçou
Seguindo a cartilha que alguém ensinou
Seguindo a receita da vida normal

Mas o que é Vida afinal
Será que é fazer o que o mestre mandou
É comer o pão que o diabo amassou
Perdendo da vida o que tem de melhor

Senta se acomoda à vontade tá em casa
Toma um copo dá um tempo que a tristeza vai passar
Deixa prá amanhã tem muito tempo
O que vale é o sentimento
E o amor que a gente tem no coração

carlos colla / gilson 



fontes
imagem: google - vídeo: youtube - tecto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

O Silêncio das Estrelas, Lenine



Vamos escrever sobre um cidadão pernambucano que com um pouco de
magia, fala diretamente à alma do ouvinte com um certo misticismo
cósmico, tudo bem dosado por um enorme talento.

Refiro-me a Lenine que além de compor e cantar, é também arranjador, músico
e produtor musical. É um dos grandes nomes da Música Popular Brasileira
reconhecido pelo grande público, pela imprensa e por seus colegas,
transpondo as fronteiras do Brasil, ganhando o mundo. 


l e n i n e 

Lenine é um dos artistas brasileiros que atingiu a maior vendagem na
Europa, principalmente na França, seu maior público, sendo considerado
um dos mais representativos nomes da cultura musical brasileira. 

Pesquisando, encontrei essa música dele em parceria com Dudu Falcão.
Creio ser uma boa maneira de desejar boas festas à todos, pois a
letra nos faz pensar um pouco sobre nossa existência, nossos desejos
e principalmente sobre a solidão, falta de Fraternidade e Amor.
Beijos no coração.

carlos miranda (betomelodia)


video



Solidão o silêncio das estrelas a ilusão
Eu pensei que tinha o mundo em minhas mãos
Como um deus e amanheço mortal

E assim repetindo os mesmos erros dói em mim
Ver que toda essa procura não tem fim
E o que é que eu procuro afinal

Um sinal uma porta pro infinito o irreal
O que não pode ser dito afinal
Ser um homem em busca de mais de mais
Afinal feito estrelas que brilham em paz em paz

Solidão o silêncio das estrelas a ilusão
Eu pensei que tinha o mundo em minhas mãos
Como um deus e amanheço mortal

Um sinal uma porta pro infinito o irreal
O que não pode ser dito afinal
Ser um homem em busca de mais

lenine / dudu falcão



fontes
imagens: google - vídeo: youtube - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Um Feliz Natal à Todos Meus Amigos do Blog, Google+, do Facebook e de Todo o Planeta Terra !!!



Mais um ano termina e logo as comemorações do Natal e do Ano Novo terão
seu fim. Mas, em nossa ânsia de presentear a família, os amigos e os não tão
amigos assim, esquecemos de algo que não deveria ser ignorado: o único
e verdadeiro sentido do Natal, o Amor ao Próximo, uma dádiva de Jesus.
E o próximo, é aquele do qual nós procuramos esquecer no decorrer de
nossos dias, os carentes seja lá do que for, do corpo ou do espírito.

Somos brasileiros e somos uma Nação fraterna. Em meus 67 natais, observo
nesta época o clima de sonho estampado nas faces das pessoas, olhares
brilhantes, velhos amigos em abraços e até aqueles que não conhecemos,
nos saudando com sorrisos e cortesias. Fraternidade...

Tal qual uma criança aos céus eu olho, pedindo um presente ao bom
velhinho, o Papai Noel. Um presente não para mim mas, para todos no mundo.
Peço apenas Paz na Terra, Amor nos corações e muita, muita Fraternidade pois,
se somos capazes de espalhar alegria, sonhos e magia nesta época,
temos a capacidade de fazer com que seja Natal todos os dias.

Que o Espírito do Natal habite os corações não só nesta data, mas sempre,
sem qualquer tipo de distinção. Que em nossos dias sejamos capazes de
sorrir, abraçar e amparar nosso próximo, já que o melhor presente de
Natal é e sempre será, o Amor, a Fraternidade e a Gratidão.

carlos miranda (betomelodia)
( texto inspirado na composição de maurício gaetani )


video



O vídeo acima é com o clássico Noite Feliz, uma composição do padre
Joseph Mohr e musicada por Franz Gruber, criada na cidade de
Oberndorf, Áustria, no ano de 1818.

Sendo brasileiro, "carioca da gema", a escolhi para esta edição
em comemoração ao Natal e Ano Novo de 2013 mas, com
um solo de cavaquinho e o acompanhamento em ritmo de samba,
representando muito bem a nossa Cultura Musical.

Desejo aos meus leitores, seguidores e amigos do Blog, Facebook, 
Twitter e outros meus espaços na Web, Boas Festas e um
Novo Ano repleto de Amor, Fraternidade e Paz.

Beijos de Amor nos corações de todos.



fontes
imagens: google - edição de vídeo e texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google / maurício gaetani / youtube

obs: não foi possível identificar com certeza o autor do solo de cavaquinho, que creio ser diego junior.

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Namoradinha

betomelodia.blogspot.com.br


Infância. Bons tempos aqueles em minha cidade natal, Rio de Janeiro,
bairro Tijuca. Aquelas "peladas" nas tardes, tendo como gramado os
paralelepípedos da Rua Delgado de Carvalho e como "gol's", alguns
paralelepípedos empilhados. O cinema ao ar livre nas noites quentes,
com uma enorme tela de lençóis em um edifício e o projetor na varanda
do primeiro andar do meu prédio, eram divertidos encontros semanais
dos moradores da calma rua em que eu morei.


onde passei parte de minha infância

Nas manhãs? Colégio de Aplicação, depois a brincadeira preferida de todos
os meninos, correremos o mais rápido possível sobre os muros que separavam
os edifícios, uma prova de coragem e habilidade. Proezas que nunca tiveram
consequências mais graves que arranhões, orgulhos feridos e alguns castigos.

Houve um tempo de racionamento de energia elétrica, com "blackout's"
noturnos em rodízio por todos os bairros. Quando o racionamento que
durava duas horas era feito, na escuridão nós pegávamos escondidos algumas
lanternas e palitos para dentes em suas casas. Assim que o corte começava,
entravamos nos edifícios e andar por andar colocavamos palitos nos
interruptores das campainhas, mantendo-os acionados. O resultado era ótimo.
Quando a energia voltava, uma verdadeira "sinfonia" anunciava a volta da energia.

Mas aos poucos a infância foi ficando para trás e novos sonhos, novos medos,
novas ansiedades e novos "brinquedos" começam a ser desvendados e
explorados, com muitas incertezas: "Será que minha calça tá legal? E meu
cabelo? Tá bem penteado? Será que ela olhou para mim ou foi para outro?
Será que meu perfume vai agradar? Será?"





Os novos interesses. Chega um momento em que, como acima escrevi,
as brincadeiras começam a perder a graça e a vontade de ter uma
namorada, deixa de ser apenas uma vontade transformando-se em um 
forte desejo. Aconteceu. Depois de troca de olhares, um misto de vergonha
e curiosidade tomava conta dos dois. Tremendo, ele a pediu em namoro.
 Ela afastou-se e foi cochichar com as amigas. Todas olhavam para ele,
talvez opinando democraticamente, analisando a situação e a atitude que
ela deveria tomar a seu respeito. Demorou mas, veio a resposta: 
"Tá, eu aceito namorar com você."

O problema. "E agora? O que um namorado faz? Ai, meu Deus!
Vou até ela e beijo seu rosto? Convido para a matinê lá no Cine Metro?
Se ela aceitar e minha mesada não der? Ah! Eu vou pegar na mão dela,
vou sim! Abraço e beijo ou só abraço? E se eu abraçar e "ele" ficar
grande? E se ela ver "ele" grande?Dúvidas, dúvidas e mais dúvidas
ante a novidade. Agora ele tinha uma namorada mas, não decidia,
não resolvia, não sabia o que fazer! E não fez nada.

A condição. Depois do "sim", foram para a praça Saens Peña, sentaram
em frente ao Bob's, trêmulos deram as mãos e planejaram o domingo:
matinê no Cine Metro e após o filme, um gostoso Milk-Shake.
Programa e hora marcada, a passos lentos a levou para casa, mas só até a
esquina. Despediram-se com ela trêmula beijando suavemente o seu rosto
Um beijo! Pisando em nuvens ele foi para seu quarto e naquela noite, mal
conseguiu dormir de tão ansioso.

O domingo. Pela manhã não foi brincar com os amigos por que tinha
que se preparar para o encontro à tarde. E aí o telefone tocou: era ela!
"Com certeza vai desmarcar tudo!" pensou ele. Mas não, ela confirmou
que eles iriam ao cinema, sim, mas com uma condição, para ele a pior
das condições: o pai dela só a deixaria ir depois de conhecê-lo. "E agora?
Acabo com tudo? O que eu faço? Calma, tem ainda aquela brincadeira
legal, a do Tarzan, com a turma, lá naquelas árvores na subida do morro".
Mas quando se deu conta, já havia respondido: "Tá, amanhã às duas
da tarde tô lá na sua casa." Ficou com dor de barriga.

Os preparativos. Logo após o almoço começou a vestir-se com o que
achou melhor para o encontro: sapatos da moda, calça "Lee" bem
amarrotada, camisa social branca com as mangas compridas bem
dobradas e uns dois números maior que o seu e para fora da calça,
o topete do Elvis Presley, o perfume e pronto! Lá foi ele. Mas parecia
que ia para a morte. Apavorado. Dinheiro no bolso, zipper da calça
bem fechado e a droga da espinha bem no nariz, só para atrapalhar.

O medo. Chegou no horário marcado, parou na calçada,
fez a que talvez seria sua última oração e tremendo mas decidido,
abriu o pequeno portão dirigindo-se para a varanda onde ficava
o botão da campainha. Suando frio, ouvia vozes e risadas no interior
da casa. Paralisado pensava que talvez estivessem falando dele, rindo
de sua enorme espinha no nariz. Corajosamente fechou os olhos,
esticou o dedo e tocou a campainha pensando: "Sem volta: agora é
enfrentar o pai dela." Aguardou atenderem.

O imprevisto. Cabeça baixa, andava de um lado para o outro na varanda
quando alguma coisa bateu em sua nuca, escorregou para dentro
de sua camisa pelo largo colarinho e grudou em sua costa. Era gelada,
grudenta e se mexia! Tentando tirar a tal coisa, girava sobre si e
talvez, eu disse talvez, gritasse. Talvez? Não, ele aos berros gritava.
Mas como não conseguia alcançar a coisa, começou a desabotoar
rápidamente a camisa. Vocês já tentaram tirar uma camisa social
bem rápido, daquelas que tem pequenos botões muito próximos uns
aos outros? E aos treze anos? Aguardando o pai da futura namorada
com uma coisa gelada andando nas costas?

a lagartixa que caiu do teto

O fim do romance. Bem, na pressa, a camisa foi rasgada aos pulos
e berros. No chão, junto aos pedaços da camisa a responsável por tudo:
uma imensa lagartixa! Mais um grande palavrão bem "cabeludo",
ofensivo à mãe da dita cuja, um desequilibrado chute que não a atingiu
e ele viu: a porta da sala, agora aberta, emoldurava um pai boquiaberto,
uma mãe tapando os ouvidos e uma linda menina com os olhos bem
arregalados. Todos horrorizados com a cena. Mudos. Paralisados.
Então, em meio ao silêncio reinante ele pegou os destroços de sua
camisa preferida no chão, tentou mais um chute na lagartixa, errou,
olhou para os três ainda estáticos e educadamente, com a voz um tanto
fina e trêmula, disse: "Boa tarde. Muito prazer. Tchau." 

A retirada. Reunindo o que sobrou de sua dignidade, a camisa
rasgada, deu meia volta e com passos firmes e decididos atravessou
o jardim em direção ao portão, indo para casa trocar a camisa. A matinê
ia começar logo.  E pelo caminho foi pensando: "Até que a brincadeira de
Tarzan não é tão ruim. Eu sou muito bom no grito. Só preciso procurar
uma menina que queira ser a Jane. Ah, e nunca mais vou passar
pela Haddock Lobo à pé. Merda de lagartixa." 

carlos miranda (betomelodia)


imagens: google - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas de imagens: google