quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Caçada ao Jacaré



Manhã prometendo muito sol e calor.
Parada Modêlo, um estroncamento de estradas.
Uma rumo à Teresópolis, uma bela cidade serrana
e a outra, contornando a Baía de Guanabara levando
à região dos lagos ou à capital Fluminense, na época, Niterói.
Ele e seu amigo, Manoelzinho, moradores da pequena Modêlo
como era chamada, estavam em férias escolares.
Precisavam fazer alguma coisa nova e diferente.
Algo emocionante...





rio guapimirim


O rio de minha infância.
Nascia nos altos da serra de Teresópolis, e descia entre pedras
com muitas cachoeiras. Deu nome à uma pequena cidade
na base da serra, às suas margens. A estação ferroviária de
Guapimirim era o local de troca das locomotivas, nas composições
dos trens com destino serra acima. Em uma região de flora e fauna
exuberantes, dois meninos entediados tramavam uma aventura.
Precisavam urgente de ação. E depois de muito pensarem...


Uma caçada! Grande idéia! É isso!
Armas? Eles tinham espingardas. Caça? Em abundância.
E a escolha, após muitas deliberações, ficou entre o "Gato Bracaiá",
um pequeno e traiçoeiro felino da região e o já velho conhecido, o
"Jacaré da Lagoa", habitante do pequeno pântano onde faziam
suas pescarias diárias. Mas... e a coragem? Tinham de sobra.
Escolheram o jacaré. E o "grande safári" em terras "africanas"
em busca dos "terríveis crocodilos assassinos", ufa!,
começou a ser planejado.


a lagoa e o jacaré

A lagoa. Margem esquerda do rio que nas cheias transbordava
formando um pequeno pântano. Muitos peixes, muitas aves
e o jacaré que com sua presença os impediam de nadar na lagoa.
Os dois saíram à cata de informações sobre como caçá-lo
e com respostas daqui e dali, souberam que as melhores horas
para caçá-los, eram as da madrugada. Madrugada? Problema...
Tinham que fazer tudo escondido de seus pais.
Eles jamais permitiriam a "expedição à Africa sem guia e carregadores".
Então, a velha mentira seria a solução: ele iria dormir na casa
de seu amigo e seu amigo iria dormir em sua casa! Feito!
Acertados horário e rota, arrumaram suas armas, munições, bússolas
e partiram para o ponto de encontro. Mais ou menos vestidos
à carater, formavam uma dupla estranha, mas invencível.
Autênticos e destemidos caçadores em um belo fim de tarde que prometia.


fim de tarde na lagoa

A chegada. Quase noite. Coração batendo mais forte.
Feito de tronco, dois remos, lá estava o velho bote aguardando.
Colocaram as tralhas dentro dele, entraram e foram para o
meio da lagoa, remando bem devagar para não assustar a caça.
Longe das margens, de suas retorcidas e assustadoras árvores...
Seu amigo remava e ele procurava o brilho dos olhos do jacaré
com a lanterna. A lagoa tinha muitos troncos das árvores
submersos pela cheia recente e aí ...O "tunc"....O bote parou,
balançando. O barulho veio do fundo. Ficaram imóveis.
Com muito medo e em sussurros, os dois dialogavam:

"O que foi isso? Jacaré?" ... 
"Acho que não. Tá tudo muito quieto." ... 
"O bote tá preso. Será que tá num tôco?" ... 
Acho que tá. A lagoa tá muito cheia." ...
"E agora? Nós estamos no meio da lagoa!" ...
"É fácil: você entra na água e solta o bote do tôco. Eu ajudo com o remo." ...  
Com jacaré eu não entro não! Vai você para a água!" ...  
Eu não. Não era eu que tava remando" ...

E assim ficaram muito tempo, culpando um ao outro,
até que o cansaço, a fome e a sêde os venceram. Dormiram.
Esqueceram de trazer, água, comida e agasalho.


então, amanheceu...

Amanheceu. A neblina fria escondia tudo ao redor.
Ao longe, ruído de remos. Acordaram. Gritaram: 
"Estamos aqui! Ajuda a gente!". Uma voz pediu calma.
O ruído dos remos foi ficando mais próximo e pela voz
reconheceram seu salvador: "Seu" Joaquim! Amigo de seus pais!
Surra e castigo na certa! "Qui qui oceis tão fazendu aqui tudu moiado
i de madrugada?". Contaram o acontecido e ele perguntou:
"Tá bão, mais purqui é qui oceis num foram prá casa?".
Responderam o óbvio: "Com o bote preso não dá, né "Seu" Joaquim,
tem o jacaré". Ele retrucou: " Mai oceis num tão presu não,
tão encaiadu na bêra. Vão logu prá casa, mininus."
 
Bem, talvez o vento... talvez a chuva na serra...
talvez o jacaré tenha ficado com pena deles... mas o fato é que 
realmente estavam encalhados próximos ao toco onde amarravam o bote.
Seu Joaquim foi pescar. Eles, sem uma palavra, sem jacaré,
com muita fome e frio, encharcados pela densa manita matutina,
voltaram para casa. E o "safari" terminou em surras e castigos,
além de terem sido a piada do lugar por muito tempo.
O troféu pela caçada foi uma forte gripe que levou dias
para passar. E a fauna local, salva, suspirou aliviada.


o bote


fontes
imagens: google - texto: carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Silvio Pinto, Retratos da Alma Carioca

marinha

" Estávamos eu, Milton da Costa e o Sylvio Pinto na Ilha do Governador,
quando chegou um garoto vendendo pés-de-moleque.
O Pinto dirige-se ao guri e pergunta se ele quer trocar seis doces
pelo quadro que estava no seu cavalete e o garoto
se afastou, assustado: "Tá besta?!"
O pintor balançou a cabeça, pensou um pouco, 
olhou uma vez mais o quadro no cavalete e saiu-se com essa:
Isso é que é: não vale um pé-de-moleque..."
     Bustamante Sá 


 

Nascido na cidade de Rio de Janeiro em 17 de março de 1918,
Silvio Pinto da Silva, pintor, professor de artes plásticas
e cenarista,  lá veio a falecer em 03 de abril de 1997.
Em suas telas, retratou o modo de viver dos cariocas.
Pintou  as festas, as paisagens marinhas e outras mais, que fazem
com que o Rio de Janeiro tenha o título de Cidade Maravilhosa.
Nesta página, um pouco de sua vida e obras .

Filho de Bernardo Pinto da Silva, pintor, dele recebeu 
as primeiras noções de Artes Plásticas, vindo a formar-se no
Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro.  

Na então Capital da República, no início da década de 1930, ele 
participou do grupo de artistas que incentivaram o movimento
modernista brasileiro, o Núcleo Bernadelli e no final dela,
criou vários cenários para o teatro além de várias alegorias
para os blocos carnavalescos da época.

Mas, vamos ao que interessa, ou seja, divulgar suas obras que, 
ao contrário do que disse o guri dos pés-de-moleque no texto de abertura
possuem grande mérito. A seguir uma pequena seleção
que tenho certeza, muito apreciarão.

Beijos no coração.

carlos miranda (betomelodia) 




a baiana no pelourinho

praia de búzios - rj

jacarézinho - rj
mosteiro de são bento - sp

natureza morta com uvas

o circo
ouro preto






destaco: sorriso

 

fontes
imagens: google - texto carlos miranda (betomelodia)
base das pesquisas: google